Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de marciogama
 


Educação profissional: avanços e retrocessos

A educação profissional, tão necessária e imprescindível para o desenvolvimento de um país, no Brasil vinha sendo tratada- como dão conta os registros- como sendo uma educação de nível inferior. Está evidenciado na iniciativa do governo do presidente Nilo Peçanha, que em 1909, ao criar as primeiras 19 escolas técnicas(à época denominadas Escolas Federais de Artífices e Aprendizes), apresentou como justificativa a necessidade de se criar escolas profissionalizantes para os meninos de rua e para os desocupados. Numa sociedade elitista, em que o diploma universitário sempre foi o grande diferencial para as classes mais abastadas da sociedade, passou a ser desejado também pelas classes menos privilegiadas como oportunidade de ascenção social e como forma de redenção nacional para dar suporte ao desenvolvimento do país. "Esquecemos", no entanto, que para cada profissional graduado, faz-se necessário, na mesma proporção das respectivas áreas do conhecimento, a formação de técnicos ou de mão-de-obra qualificada.

2009 é o ano do centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Neste ano há muito o que comemorar apesar do referido "esquecimento". De 1909 a 2002, foram criadas 140 escolas de educação profissional e tecnológica da rede federal. Até 2010, este número chegará a 354 novas unidades de educação profissional e tecnológica. Esta iniciativa do atual governo federal vem estruturada na criação de 38 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnogia- IF's, consubstanciada em projeto instituído pela Lei nº 11.892 de 29 de deaembro de 2008. A magnitude deste projeto, instituído com financiamento exclusivo do tesouro, é um marco histórico da educação profissional do país, que somente em 2009,segundo o Ministério da Educação- MEC, tem programada a inauguração de 100 unidades. Até 2014, ainda segundo o MEC, serão 500 mil vagas.

Certamente é o maior investimento da história na educação, uma vez que passou a ser tratada de forma sistêmica e não compartimentada. Os IF's vêm desempenhando papal relevante como instrumento estratégico de integração e de desenvolvimento local, regional e nacional, tomando em conta os Arranjos Produtivos Locais- APL's. Vale registrar que, segundo o MEC, apesar da expansão das universidades públicas estas não serão privatizadas. Exemplos desta expansão são os programas de educação á distância como a Universidade Aberta do Brasil- UAB e a Escola Técnica Aberta do Brasil- E-TEC Brasil, o Programa Universidade Para Todos- Prouni, o Reuni, o Projovem, o Proeja, o Brasil Profissionalizado, o Brasil Alfabetizado e o Fundeb. Por tudo isso, pode-se assegurar que a educação é de fato prioridade para o atual governo federal porque saiu do discurso e do papel para a prática rumo ao desenvolvimento humano e o crescimento do país.

No Paraná, por exemplo, em 1869, Gottlieb Muller e Augusto Gaertner fundaram a Escola Alemã mantida pela comunidade evangélica de Curitiba, atendento aos filhos dos alemães instalados na cidade. Com os conflitos provocados pela Primeira Guerra Mundial, o então Professor Fernando Augusto Moreira liderou o processo de nacionalização da escola que passou a se chamar Colégio Progresso e depois Academia Comercial Progresso, do qual foi o primeiro diretor. A partir de 1941, a Academia foi adquirida pela Faculdade de Direito da Universidade do Paraná, mudnado sua denominação para Escola Técnica de Comércio. Com a federalização da Universidade do Paraná, em 1950, a escola permaneceu mantida pela faculdade de Direito. Por decisão do conselho universitário, em 22 de janeiro de 1974, a escola vinculou-se ao Setor de Ciências Sociais Aplicadas da UFPR passando a se chamar Escola Técnica de Comércio da UFPR e posteriormente, Escola Técnica da UFPR. Em 19 de março de 2008, o conselho universitário da UFPR autorizou a implantação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná- IFPR, ocorrendo a desvinculação da UFPR, referenciada pela Lei nº 11.892.

Atualmente, o IFPR oferece cursos inseridos em nove eixos tecnológico indicados pelo MEC: Ambiente, Saúde e Segurança; Controle e Processos Industriais; Gestão e Negócios; Hospitalidade e Lazer; Informação e Comunicação; Infraestrutura; Produção Alimentícia; Produção Cultural e Design e Recursos Naturais. Oferece também cursos técnicos na modalidade à distância em que mais de 15 mil alunos são atendidos em 328 municípios(do total de 399) do estado. A educação à distância, cada vez mais presente no sistema educacional brasileiro, é potencializada com as chamadas Tecnologias de Informação e Comunicação- TIC. Nesta modalidade de ensino, a integração de educadores e educandos busca superar as limitações de espaço e tempo.

Outras informações sobre este tema podem ser obtidos através do site www.ifpr.edu.br , no endereço Rua Doutor Alcides Vieira Arcoverde, 1225, Jardim das Américas, CEP 81520-260, Curitiba-PR, ou pelos telefones 0800 643 0007 e (41) 3595-8808 ou pelo e-mail: secretaria.curitiba@ifpr.edu.br .

(mais em www.administradores.com.br/home/marciogama/artigos)  



Escrito por marciogama às 12h38
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]